28.5.17

A velhice não ajuda contra a estupidez


A velhice não ajuda contra a estupidez

Por R.M. Menezes

A frase do título é atribuída a Lutero. A velhice pode ser algo positivo quando se adquire sabedoria da Palavra de Deus, mas longe da Palavra os cabelos brancos e a pele enrugada não significam nada. Alguém já disse que os canalhas também envelhecem. Alguns velhos são tarados desprezíveis. Em geral são frágeis e dependentes... outros são sábios segundo o mundo e outros são agraciados por Deus com a sabedoria das Escrituras. Esta experiência é louvável. Mas que ninguém se engane, a sabedoria, o discernimento, o conhecimento da Palavra não tem idade.

Compreendendo, meditando e praticando a Palavra de Deus entendemos mais do que os nossos professores. O dom da graça, do arrependimento, do perdão, do agradecimento e contentamento podem alcançar uma criança e envergonhar um adulto. Não há idade para conhecer Deus, ter prazer em Deus, em sua Palavra.

Por que Davi escreveu que sabia mais que seus professores e os mais velhos? Via de regra, pelo senso comum, os mais velhos tem certa vantagem em experiência, estudo e observação. Cicatrizes e rugas são linhas de memórias proveitosas para alguns. Como disse Jó: “Com os idosos está a sabedoria, e na longevidade o entendimento”. (Jó 12:12).

No entanto o praticante da Palavra terá maior sabedoria, pois guarda os mandamentos de Deus, independente da idade. -- Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. (1 Timóteo 4:12). – A juventude sem a sabedoria da Palavra também é tão inútil quanto a velhice sem o conhecimento de Deus. Mas não um conhecimento vazio, mas com temor.

O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; bom entendimento têm todos os que cumprem os seus mandamentos; o seu louvor permanece para sempre. (Sl 11.10).

Nosso esforço, pela graça, é fazer a vontade de Deus, não é apenas o conhecimento intelectual mas a prática. Esta verdade derruba muitos velhos e jovens. -- Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo. (Jo 7.17).

Além do mais se formos comparar o conhecimento bíblico dos antigos e depois dos apóstolos, percorrendo toda história da Igreja, nos temos em mãos maiores descobertas do Messias, sua Pessoa e seus ofícios. Ao longo da história, das gerações eleitas, Deus levantou seus mestres para cuidar da Sua Igreja e zelar por seu glorioso nome.

Por mais que possamos encher uma biblioteca do tamanho de uma cidade somente com livros sobre Cristo, o conhecimento pleno e verdadeiro não se pode medir, não se pode estocar, mas quando praticado, vivido na pele, um jovem pode superar um mais velho (e que isto não seja motivo de orgulho e vanglória).

Jovem, mantenha a Palavra de Deus sempre por perto, na leitura, na meditação, na memória, no coração. Ouça a voz do Espírito Santo em Jó 32.7-9:
Dizia eu: Falem os dias, e a multidão dos anos ensine a sabedoria.
Na verdade, há um espírito no homem, e a inspiração do Todo Poderoso o faz entendido.
Os grandes não são os sábios, nem os velhos entendem o que é direito.

O Salmista Davi compreendeu mais do que os antigos, Deus revelou ao seu servo a sabedoria oculta que estava em sua lei, Davi falou mais plenamente sobre Cristo do que qualquer um antes dele, rivalizou, no bom sentido, com Isaías no Antigo Testamento. Há um evangelho sublime nos salmos. Cave que encontrará o tesouro. E ninguém pode cavar por você.

Assim como o Inimigo se esforça para espalhar o erro, nos esforcemos para adquirir um tesouro inestimável, a sabedoria verdadeira, que conduz à vida.

A idade é de grande proveito, pela experiência e pratica. Não busque sabedoria em outro lugar além da Palavra, e caso beba de outras fontes, filtre pela palavra. A palavra é ou não é a única regra de fé e prática? Cuidado! Que a curiosidade não te leve ao orgulho, que a ambição não te leve a glória de si nem a heresia. Temor, simplicidade e humildade sejam teus guias. Lembre-se, nossos pés são fracos e os caminhos tortuosos e escorregadios.

Deus deu rica sabedoria a Davi que transmitiu a seu filho Salomão que pode dizer:

E era a sabedoria de Salomão maior do que a sabedoria de todos os do oriente e do que toda a sabedoria dos egípcios. (1 Reis 4:30). E mesmo assim, Salomão cometeu muitos erros por falta de temor.

Tudo que precisamos está em Cristo. A sabedoria (sophia) e o conhecimento (gnosis), tudo que o homem busca está em Cristo. Em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência. (Colossenses 2:3). Cristo é o tesouro oculto de Deus.


É preciso andar neste Caminho, entrar por esta Porta e ver claramente com esta Luz. Jesus Cristo é o logos, a Palavra, o Grande Livro de sabedoria. Leia as bem-aventuranças e ouça sua voz com fé e amor. Siga seus passos nas Escrituras, sente-se aos seus pés, ouça sua voz. 

14.5.17

PRESBITERIANISMO NORDESTINO – Parte 1


PRESBITERIANISMO NORDESTINO – Parte 1
R.M. MENEZES

Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. 1 Coríntios 3:6

As primeiras sementes do protestantismo cristão no Brasil derivam de franceses e holandeses, os precursores da semente evangélica em nossa terra. Sementes sufocadas mas com o poder do Evangelho dentro delas.

Em 1555 os cristãos franceses huguenotes desembarcaram no Rio de Janeiro, período curto, até 1567, após forte oposição portuguesa com recuos e martírios. Havia uma intenção de criar uma colônia francesa na Baia de Guanabara, Rio de Janeiro. E o protestantismo calvinista apesar de não ter sido estabelecido nesta ocasião, missionários como Jean de Bourdel, Matthieu Verneuil e Pierre Bourdon deixaram por escrito a primeira confissão de fé da América e foram mortos por sua fé. Este precioso documento é conhecido como a Confissão de Fé de Guanabara.

Em 1637 temos a presença holandesa com Mauricio de Nassau no Brasil. Os holandeses calvinistas em Pernambuco implantaram todo um sistema eclesiástico com pastores, presbíteros, diáconos, membros, presbitério e sínodo. Prenunciava algo futuro, que Deus não deixaria de levar seu Evangelho em todos os lugares da terra. A ocupação holandesa no Nordeste do Brasil (1630-1652) sofreu dura oposição do romanismo colonial e os holandeses foram expulsos do Brasil. Mas o protestantismo retornaria com outros missionários. A semente do Evangelho deixou sua marca na terra.

Podemos resumir essas duas tentativas como duas fases de introdução incompleta do protestantismo no Brasil.

O século XIX é de particular destaque de maior semeadura e irrigação com os trabalhos missionários congregacionais e presbiterianos. Nesse século citado, nos EUA, por razões missionárias os presbiterianos e congregacionais uniram-se e formaram um acordo de intercâmbio de pastores entre as duas denominações. Esta união resultou em associações religiosas como a União Americana de Escolas Dominicais, a Sociedade Bíblica Americana, a Sociedade Americana de Educação e a Sociedade de Missões Estrangeiras.

Em 1836, vale destacar, antes da terceira (ou quarta) fase de evangelização protestante, chegou ao Rio de Janeiro, muito antes de Kalley, o missionário metodista R. Justus Sapaulding – o trabalho metodista oficialmente só vingou 20 anos depois da rápida presença do missionário Sapaulding (seis anos, apenas, tempo esse que se estende de 1836 a 1841). Spaulding, Murdy e Kidder, três missionários metodistas no Brasil fizeram um brilhante trabalho de distribuição de Bíblias. Há poucos relatos desse período metodista, mas se sabe que em 1864 a Igreja Católica proibiu a distribuição de Bíblias em Maceió e em 1865 também houve proibição de Bíblias na cidade de Escada-PE. Em 1867 já havia uma grande polêmica sobre “Bíblias falsas” e publicações católicas romanas combatendo a distribuição de Bíblias. Essa característica protestante de distribuição de Bíblias é um fato que merece destaque.

Em 1855 chega ao Rio de Janeiro o missionário congregacional escocês, Robert Reid Kalley. Missionário que realizou um importante trabalho de plantação de igrejas e em 1879 recebeu apoio da Inglaterra com a chegada do Rev. Fanstone. Este projeto missionário nascido no Rio de Janeiro irradiou-se para Pernambuco com o diácono congregacional Manoel José da Silva Viana. A primeira igreja congregacional de Recife e do Nordeste se chama Pernambucana (1873). Merece um estudo a parte.

Os primeiros missionários presbiterianos ao Brasil são oriundos da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América (PCUSA). Fundaram igrejas, seminários e colégios. Segundo o professor Alderi Souza de Matos, --:
“Os obreiros da PCUS foram os pioneiros presbiterianos no nordeste e norte do Brasil (de Alagoas até a Amazônia). Os principais foram John Rockwell Smith, fundador da igreja do Recife (1878); DeLacey Wardlaw, pioneiro em Fortaleza; e o Dr. George W. Butler, o “médico amado” de Pernambuco. O mais conhecido dentre os primeiros pastores brasileiros do nordeste foi o Rev. Belmiro de Araújo César, patriarca de uma grande família presbiteriana. Enquanto isso, os missionários da Igreja do norte dos Estados Unidos, auxiliados por novos colegas, davam continuidade ao seu trabalho. Seus principais campos eram Bahia e Sergipe, onde atuou, além de Schneider e Blackford, o Rev. John Benjamin Kolb”.

1859 – O ano marcante da chegada do primeiro missionário presbiteriano no Brasil:

Em 1859 a missão presbiteriana envia ao Brasil, S. G. Simonton, que desembarca no Rio de Janeiro. Em 1862 é organizada a primeira igreja presbiteriana do Brasil no Rio.

1873 – O marco do primeiro missionário presbiteriano no Nordeste do Brasil:

Em 1873 desembarca em Pernambuco o Rev. John Rockwell Smith, o qual exerceu um abençoado ministério de 1873 a 1892. O Rev. Smith visitou todas as principais cidades do Nordeste brasileiro. Organizou além da Igreja de Recife (1878), a de João Pessoa-PB em 1884 e a de Maceió em 1887.

Ainda em 1873 chega ao Recife o Rev. John Boyle e neste mesmo ano inaugura uma congregação presbiteriana na mesma cidade. Em 1875 o missionário Boyle vai para Campinas-SP e o Rev. Lecont vem para auxiliar Smith.

A partir de 1874 acontece a primeira expansão missionária presbiteriana de Pernambuco em direção a Maceió-Al e Pilar-Al. Havia nesse tempo muitos perigos de perseguição violenta de católicos romanos, de assaltos e apedrejamento.

Em 1875 o Rev. Smith visita Fortaleza-Ce e São Luiz-MA. Neste mesmo ano fundou um jornal, o primeiro jornal evangélico no Nordeste do Brasil.

Em 1877 houve a grande seca no Nordeste. Entre 1887 e 1879, um obreiro presbiteriano paraibano foi perseguido e martirizado. Sr. Filadelfo de Souza teve sua casa assaltada por um grupo armado, após este fato sua esposa enlouqueceu e morreu.

1878 – Organização da Primeira Igreja Presbiteriana do Recife.

Em 1878 – Ano marcante para o presbiterianismo nordestino. O Rev. Smith organizou a Primeira Igreja Presbiteriana do Recife, ministrada pelo Rev. Blackford.

Havia na fundação da Igreja Presbiteriana de Recife três ministros brasileiros: Rev. João batista Lima, nascido em Porto Calvo-AL, Rev. Belmiro de Araújo Cesar, natural de Goiana-PE e o Rev. José Primênio, natural de Brejo da Madre de Deus-PE.

O Rev. Belmiro de Araújo Cesar, também jornalista, tornou-se professor de Inglês, Grego e Geografia.

Em 1878 fundam-se os trabalhos presbiterianos em Nazaré da Mata-PE e Goiana-PE.

Em 1879 o Rev. Smith era combatido diretamente de Portugal por meio de jornais e livros.

Ainda em 1879 houve um fato lamentável, outro martírio, próximo a cidade de Caruaru-PE, local próximo a São Bento do Uma-PE, a vítima foi o presbiteriano Jose Antônio dos Anjos (ou Antos).

Em 1880 chega reforço missionário ao Recife, o Rev. B. F. Thompson, recém-ordenado em 1879, e após sua chegada em Recife viveu apenas dois meses, acometido de uma febre tropical, possivelmente. Uma grande tristeza abateu o trabalho missionário em campo pernambucano.

Ainda no mesmo ano, em 1880, chega ao Recife o Rev. Lacy Wardlam. Em 1882 realiza missões no Ceará e em Goiana-Pe, nesta cidade é hostilizado por moradores, porém um juiz municipal acalmou a situação. Sempre havia o perigo de morte para os missionários protestantes.

Em 1883 havia cultos em vários locais, como Itamaracá-PE, Pão de Açúcar-AL, Penedo-AL, mas todos locais com grande hostilidade católica romana. 1887 é fundada a Igreja em Maceió-AL e também em Pão de Açúcar-AL.

1888 é um ano marcante, ano de fundação oficial do Presbitério de Pernambuco, separando-se dos Concílios Americanos, Sul, Norte e Sínodo de Baltimore.

A partir de 1888 passam a constituir quatro presbitérios:

1.            Rio de Janeiro.
2.            Pernambuco.
3.            São Paulo.
4.            Oeste de Minas Gerais.

1889 o Presbitério de Pernambuco ordena dois ministros, o Rev. W. C. Poter, americano, e Rev. Juventino Marinho, pernambucano de Goiana. Ambos treinados pelo Rev. Smith.

1894 o Rev. Butler chega a Garanhuns-PE e dá apoio em Canhotinho-PE. Em 1895 quinze pessoas são convertidas em Garanhuns. E é realizada a primeira Santa Ceia nesta cidade.

Em 1888 só havia três presbitérios: Pernambuco, Rio de Janeiro e Campinas/Oeste de Minas Gerais. Este último presbitério posteriormente dividiu-se e organizou-se em presbitério de São Paulo e presbitério Oeste de Minas Gerais.

O presbitério de [Norte] Pernambuco abrangia uma grande área interestadual compreendia Recife, Paraíba, Rio Grande do Norte, Pará, Fortaleza até o Amazonas. E o presbitério Sul de Pernambuco cingia o Agreste de Pernambuco, e Alagoas até Paulo Afonso na Bahia.

Igrejas organizadas por missionários presbiterianos antes de 1888, antes da formação oficial dos presbitérios:

1.            Paraíba.
2.            Mossoró-RN.
3.            Fortaleza-CE
4.            Garanhuns-PE
5.            Pernambucana – 1879
6.            Recife – 1878
7.            Goiana-PE – 1886
8.            Laranjeiras-SE – 1884
9.            Nazaré-PE – 1887
10.          Paulo Afonso-BA – 1886
11.          Maceió – 1887
12.          Pão de Açúcar-AL – 1888

Igrejas organizadas depois da formação do presbitério de Pernambuco antes de 1928:

1.            Palmares – 1903
2.            Catende – 1926
3.            Garanhuns – 1900
4.            Águas Belas – 1922
5.            Macéio – 1908 (reorganizada)
6.            Canhotinho – 1902
7.            Gameleira – 1914
8.           Caruaru – 1927

A sede organizacional do presbitério sul de Pernambuco situava-se nos Estados Unidos, o Sínodo de Baltimore, posto missionário de um importante e desconhecido homem, Rev. John Leigton Wilson, missionário americano que serviu por 14 anos na África e foi secretário da Junta de Missões Presbiterianas Americana. Foi este homem que enviou para o Brasil três missionários: Simonton, Blackford e Scheineider. Cujo trabalho missionário formou a Igreja Presbiteriana do Brasil.

**
Referência:
Presbitério Sul de Pernambuco, História do Presbiterianismo no Nordeste Brasileiro, Rev. Elias Sabino de Oliveira.
O Presbiterianismo no Nordeste do Brasil (II), Claúdio Henrique Albuquerque, Vox Reformata, Publicação do SPN. 2012, nº 2, Vol. I.




30.4.17

A TOLERÂNCIA RELIGIOSA NA PERSPECTIVA REFORMADA


A TOLERÂNCIA RELIGIOSA NA PERSPECTIVA REFORMADA
R.M.MENEZES

Lucas 9.49, Números 11.24-29, Marcos 9.38-41, Mateus 18.1-5, Mateus 12.30.

E, respondendo João, disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios, e lho proibimos, porque não te segue conosco. E Jesus lhe disse: Não o proibais, porque quem não é contra nós é por nós. (Lucas 9.49)

Recentemente Suprema Corte da Rússia baniu os Testemunhas de Jeová do país. Segundo a decisão, a denominação foi considerada uma "organização extremista", que agora terá de entregar todas as suas propriedades para o Estado - são pelo menos 395 templos espalhados pelo território russo. Qualquer tipo de prática dessa religião a partir de agora também será criminalizada. Segundo notícias da BBC, o procurador de Justiça Svetlana Borisova, um dos autores da ação, disse à agência de notícias Interfazas que as Testemunhas de Jeová representam "uma ameaça aos direitos dos cidadãos, à ordem pública e à segurança pública". Borisova também afirmou que a oposição dos adeptos dessa religião a se submeterem a transfusões de sangue viola as leis russas de saúde. Representantes das Testemunhas de Jeová já disseram que tentarão apelar da decisão junto à Corte Europeia dos Direitos Humanos. A religião foi fundada nos Estados Unidos no fim do século 19 e, durante o regime de Josef Stálin na União Soviética, foi proibida por lá - milhares de seguidores acabaram enviados para a Sibéria à época. Seus integrantes são conhecidos por sua pregação de porta em porta e pela rejeição ao serviço militar e a transfusões de sangue. – Fonte BBC.

Este exemplo da Rússia em 2017 demonstra bem que em pleno século XXI estamos ainda ajustando o equilíbrio religioso em muitos lugares, e religião sempre será um tema espinhoso social. Sejam por razões políticas, econômicas, sociais ou religiosas. Sempre teremos conflitos e tensões em diversos graus, seja numa praça em Jerusalém, Paris, São Paulo, Recife, seja na Internet, outro campo minado de opiniões plurais. É um tema amplo.

NECESSIDADE DE UM EQUILÍBRIO RAZOÁVEL

É possível encontrar um equilíbrio entre um tipo de zelo intolerante e uma tolerância às heresias? O que é heresia? A palavra “heresia” deriva do grego que significa “escolha”. O individuo sempre escolhe uma escola de pensamento, uma cosmovisão. No latim a palavra grega “háiresis” transformou-se em “secta”, de onde retiramos a palavra “seita”. Etimologicamente não são palavras ruins e negativas, mas desde que o Cristianismo tumultuou o judaísmo em seu berço no século I, “seita” tem uma conotação negativa (Cf. Atos 24.5; 1Co 11.19; Gl 5.20; 1 Pe 1.1-2).

De certa forma, todo individuo ou grupo religioso é herético, pois há uma “escolha”, há sempre uma opção credal. Porém a aplicação comum é que “herético” é sempre o outro. O mesmo preconceito que o nascente Cristianismo sofreu do judaísmo, hoje o próprio Cristianismo aplica a outras religiões. Sempre houve e sempre haverá níveis de intolerância entre as religiões, de um modo ou de outro. Não há nem neutralidade nem unidade perfeita. E nunca haverá. Por definição podemos resumir heresia como algo que fere a ortodoxia aceita por um grupo confessional.

Jerusalém, de certo modo é um exemplo de tolerância religiosa, apesar do ambiente sempre tenso. Há nela várias denominações cristãs, judaicas e muçulmanas. Mesmo entre cristãos, judeus e muçulmanos, internamente, não há unidade de fé. Há cristão de todo tipo, os judeus não pensam igualmente nem os muçulmanos são monolíticos em suas crenças. Como na politica há esquerda-centro-direita (e ainda, extrema esquerda e extrema direita), nas religiões há desde os mais liberais aos ortodoxos. É um contrassenso, mas há uma variedade de ortodoxia.

Em matéria de religião há sempre os mais pacíficos e os mais radicais e politizados. Sempre haverá duas faces da mesma moeda em toda religião. O ponto em questão é como conviver com outras religiões pacificamente ou civilizadamente? Excetuando o extremismo religioso assassino ou suicida, é possível que numa mesma rua haja uma mesquita, uma igreja e uma sinagoga, até um templo budista. Se esta vizinhança consegue viver sem dar cusparada uma na outra, qualquer religião pode conviver civilizadamente.

POLÍTICA, FUTEBOL E RELIGIÃO

Dizem que política, futebol e religião não se discutem! Mas a política e o futebol têm muito a ensinar à religião. Primeiro, podemos ser do partido azul e não gostar nenhum pouco do partido vermelho, mas se o partidarismo não for IMPOSTO, se há eleições democráticas e o partido A ou B venceu, cabe a minoria aceitar e viver pacificamente, democraticamente, e nas próximas eleições tentar reverter o resultado e sempre que necessário, via de regra, buscar os meios legais de reivindicar alguma opinião contrária. No futebol as regras são mais claras, no estádio há duas torcidas, nada amistosas, mas têm que aceitarem o resultado, pois sempre um sairá em vantagem. Podemos ter amigos que pensem diferente em política e futebol? Sim. E em religião? Sim.

Uma guerra, que é a situação extrema de rompimento de qualquer tratado social amigável, ainda é possível encontrar gestos de tolerância, direitos humanitários internacionais, a exemplo da Convenção de Genebra. Mesmo numa guerra deve haver tratamento humano de prisioneiros, proibição de tortura, maus tratos e respeito a religião dos prisioneiros, não atacar hospitais civis, liberar o trânsito para transporte de medicamentos e feridos etc.  Apesar dos males de uma guerra, tudo isso é um tipo de avanço da civilização, embora grupos extremistas, em nome de uma religião realizam decapitações de prisioneiros como propaganda ideológica ou por razões políticas e territoriais se faz uso de armas químicas.

Obviamente, que todo contrato social, seja político, futebolístico ou religioso sempre poderá ser quebrado por algum tipo de extremismo. É o caso de vândalos em protestos políticos, o hooliganismo no futebol e suicidas religiosos. Todos os casos extremos de uma cultura de intolerância que podem se iniciar com um indivíduo ou grupos. Como uma pequena fagulha pode incendiar uma floresta. O mundo não é instável, ou melhor, seus habitantes.

Num ambiente de trabalho ou estudantil, vamos conviver com uma grande diversidade de pensamentos religiosos. Nas redes sociais ainda mais. Hoje as redes sociais se transformaram em arena de discussões religiosas acaloradas e muitas vezes banais. Cada um deve ser regido por sua consciência. Tratando-se de cristãos, biblicamente a consciência deve ser governada pelas Escrituras Sagradas. Acontecerá o mesmo com outras religiões e seus livros correlatos que direcionam sua profissão credal. Ninguém pode impor sua religião a ninguém, mas nem todos respeitam este direito.

Há uma frase atribuída a Agostinho, que diz: “Nas coisas essenciais, a unidade; nas coisas não essenciais, a liberdade; em todas as coisas, a caridade”. Caridade ou amor. O problema é que na prática não há nem unidade nem liberdade nem caridade. A raiz da palavra "tolerância" significa "suportar". Hoje esta palavra tem um sentido amplo de “aceitar as diferenças” de uma sociedade plural, a não violência, a prática da convivência entre interculturas. Mas a natureza de intolerância é forte na natureza humana.

John Locke escreveu sobre a tolerância religiosa em sua famosa Carta (1689) sobre o tema em questão, e a sua base do entendimento da tolerância é “o respeito pelo outro e que cada um faça a sua parte”. Segundo Locke, a igreja é uma sociedade livre de pessoas que se reúnem por iniciativa própria para um culto público. Organizam-se livremente. Até aí tudo bem, o problema se instala quando um grupo que professa uma fé, além de não aceitar a convivência interreligiosa, discrimina ou ataca ou impõe sua crença a outros grupos. A tese de Locke é razoável socialmente, mas na prática há sempre tensões e disputas, e na história muitas diásporas, perseguições e derramamento de sangue por causa de religião.

Voluntariedade e civilidade podem ser boas características para uma convivência interreligiosa pacífica. Como escreveu Locke, que cada um cumpra a sua parte. O pensamento de Locke é que quando um indivíduo professa uma religião diferente de outra pessoa, não é herege, mas protestante. Herege seria alguém não professar a mesma fé no seio da mesma religião. Na visão de Locke o aspecto pragmático/social não é provar se a religião A ou B é a verdade, mas se é possível conviver sem agressão mútua. O que vemos na história é exatamente o contrário, é só examinar as guerras religiosas.

Na atualidade, principalmente no Ocidente, não há uma imposição religiosa sobre a sociedade, mesmo que alguém não goste de outra religião, em geral há uma atitude de não forçar ninguém a crer. Um exemplo embrionário, não perfeito nem utópico aconteceu no Governo de Mauricio de Nassau em Pernambuco entre 1637-1644. Desde 1630 os holandeses dominaram Pernambuco e permaneceram na região até 1654, quando foram expulsos. Uma das características do Governo Nassau foi estabelecer a liberdade religiosa aos cristãos. Especialmente liberdade religiosa aos judeus, Recife era um tipo de “Jerusalém colonial” e uma “babel cultural”. A capital pernambucana nesse período holandês foi a única cidade do mundo onde conviviam judeus sefarditas, católicos e calvinistas. Fato histórico. Não era um mar de rosas, mas não se matavam.

Era um tipo de tolerantismo ou Estado multirreligioso, cada um na sua lei (não era um estado perfeito de paz, pois havia insatisfação social por parte de católicos e calvinistas entre si e contra os judeus por razões econômicas e religiosas). E este contexto deve ser analisado à luz da perseguição católica romana em seus domínios. Hoje é aceitável tal convivência, mas é importante entender o contexto maior da Inquisição Católica Romana que permeou a Idade Média e Moderna.

A Inquisição remonta o século XIII, em 1233, chamada de Inquisição Medieval até o século XIV, e a Moderna a partir do século XIV, com períodos mais enfáticos, como 1478 na Espanha, e século XVI, em 1536, a Inquisição implantada em Portugal.

A exploração econômica colonial e social, como a comercialização de escravos nesse período holandês em Pernambuco é um assunto a parte. Faz parte da intolerância, mas não da intolerância religiosa em si. A congregação Kahal Kadosh Zur Israel em Recife-PE foi a primeira sinagoga fundada nas Américas. Algo inadmissível em colônia portuguesa católica. E mesmo com toda intolerância da época conviveram em Estado multirreligioso.

LUCAS 9

No Evangelho de Lucas há um relato de zelo intolerante praticado por Tiago e João.

E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez? -- Lucas 9.54.

Uma demonstração clara de zelo intolerante. Não por acaso que João era conhecido como o "Filho do Trovão".

Matthew Henry sobre esta passagem de Lucas 9.43-50 disse:

"Se já existiu uma sociedade de cristãos neste mundo que pudesse com razão silenciar aqueles que não eram de sua comunhão, estes eram os doze apóstolos" Mas Cristo advertiu que não fizessem isso.

A primeira lição extraída é que, há muitos cristãos que não necessariamente seguem conosco, mas que são aceitos por Cristo. A base da salvação sempre foi e sempre será a eleição.

Mas até que ponto devemos ser tolerantes com quem não é do nosso meio? Quem deu mais crias de seitas, a intolerância ou tolerância? São perguntas honestas que devemos fazer. Como lidar com isso em nosso cotidiano?

Alguém já disse que a tolerância fez muitas seitas, mas é verdade também que a intolerância também. O equilíbrio se faz altamente necessário. Um grupo fechado de fanáticos pode derramar muito sangue em nome de Jesus ou outro nome. Ninguém está livre do orgulho eclesiástico ou teológico, e assim nascem as seitas ou heresias, como muitos desigrejados inimigos da instituição eclesiástica, inimigos da Palavra de Deus e inimigo da unidade visível da igreja. Unidade visível da Igreja de Cristo deve ser buscada, embora nunca conquistada plenamente, até que o Senhor retorne.

Os discípulos nessa passagem de Lucas 9 foram zelosos e intolerantes. Assim como foi Josué contra Eldade e Medade, e Moisés deu uma nobre resposta (cf Nm 11.29). O zelo de Josué, assim como o zelo de Tiago e João foram tolhidos por exortação. É da natureza humana agir impetuosamente como Saulo fazia em perseguição cruel aos cristãos, tudo em nome de Deus. João ao mesmo tempo era conhecido como o discípulo do amor e o filho do trovão.

Um bom antídoto para não cairmos em excessos é reconhecer que o nome de Jesus não é propriedade de nenhum grupo religioso. Jesus Cristo tem um povo seu, propriedade exclusiva, Ele tem sua Igreja, eleitos de todas as gerações. Não será seu ministério, esforço, obras, missões, zelo, títulos, doações, conhecimento que farão de você um filho, filha, escolhido, escolhida de Deus.

Com certeza as ovelhas conhecem a voz do seu pastor, sem engano. E buscarão a santificação, o reconhecimento que Cristo é tudo que importa, sendo o próprio Deus; buscarão a intimidade pessoal com Cristo e a glória de Deus. Conhecer o Senhor com profundidade, com senso de humilhação, discernimento, paz e todo fruto do Espírito. O Espírito de Deus sopra onde quer e não se limita somente a um grupo seleto, o vento sopra onde quer.

O zelo de Tiago, João e Josué, nas passagens citadas demonstram que devemos ter prudência para não rejeitar quem o Senhor não rejeitou. Ter este discernimento não significa aceitar tudo e a todos em nome da tolerância. A tolerância não deve ser sinônimo de ignorância. O Espírito Santo ajuda em nossa fraqueza, Ele dá mestres piedosos à Igreja, discernimento da verdade e da mentira. E toda crença falsa deve ser rejeitada. Deus não nos pede que toleremos a mentira. Cristo é a Verdade. O Senhor deu sabedoria para expor e destruir a mentira, mas não fazemos isso com espada de metal nem bombas, não por força nem por violência, mas com armas espirituais.

As armas com as quais lutamos não são humanas; ao contrário, são poderosas em Deus para destruir fortalezas. Destruímos argumentos e toda pretensão que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levamos cativo todo pensamento, para torná-lo obediente a Cristo (2 Coríntios 10.4,5).

A paz civil é importante para que o Reino de Deus se expanda sem muitos obstáculos. Devemos orar pelas autoridades para que possamos encontrar terreno favorável para semear o Reino de Deus. Ambientes muito hostis não são ideais para o avanço do Reino, quando há perseguição cruel, a necessidade básica é sobreviver. Quando o cenário é de relativa paz e segurança das igrejas locais, o Evangelho se espalha com mais dinâmica e força. Desde Atos até os dias atuais é assim. As igrejas locais necessitam de certa unidade que traga glória ao Senhor e dê frutos. A paz, se possível, mas a verdade, a qualquer preço, como disse Lutero.

Independente de uma unidade confessional desejada, os cristãos podem se unir para buscarem viver num ambiente de mais justiça com base nos grandes princípios da fé cristã.

Os cristãos protestantes reformados, por exemplo, nunca serão alinhados com papistas ou arminianos, mas deve haver tolerância religiosa com prudência. Nunca devemos negar nossa posição e doutrina, seja contra antinomianos e desigrejados.

Precisamos de discernimento para filtrar verdades de mentiras e batalhar pela verdade, pela justiça, pelo equilíbrio necessário. Podemos não concordar com tudo que um teólogo ensina, pois todos estão sujeitos a erros. Mas onde houver a verdade que seja honrada como verdade de Deus. Tomemos cuidado com os erros, alguns erros são tão grandes que somente um cego pode esbarrar, mas há pequenos erros, como pequenas pedras, onde a desatenção poderá nos fazer tropeçar. Alguém já disse, talvez da área de física: “Um erro da espessura de um fio de cabelo afasta-nos cem quilômetros do alvo”.

A ONU (Organização das Nações Unidas) tem um documento de 1995, chamado de “Declaração de Princípios sobre a Tolerância”, o qual ERRONEAMENTE afirma: “A tolerância (...) envolve a rejeição do dogmatismo e do absolutismo”. Total absurdo! Anátema! Porque o documento assevera que uma pessoa não pode afirmar que determinado dogma seja correto ou absoluto. Exemplo: O Senhor Jesus Cristo é o único Caminho. A ONU afirmar que se tem que rejeitar o dogmatismo não é um tanto dogmático? Como bem observou D. A. Carson. Perceba que não há neutralidade.

ENTREVISTAS

Selecionei algumas frases de teólogos e anônimos que podemos montar semelhante a um Quiz, em formato de pergunta e resposta para buscarmos mais ferramentas de discernimento.

Entrevista 1:
P. – Sr. George Hutcheson, o senhor não acha que ser mais tolerante ao erro é um caminho mais excelente para preservar a unidade mínima de uma igreja?
R. -- A divisão é melhor do que a concordância no erro.

Entrevista 2:
P. – O que vale é o amor, a boa intenção, a sinceridade na pregação, não é?
R. -- Erro no púlpito é como fogo no monte de palha.  (Anônimo).

Entrevista 3:
P. – Sr. John MacArthur, o que o senhor acha da tolerância?
R. -- A heresia vem montada nos lombos da tolerância.

Entrevista 4:
P. – Sr. Martyn Lloyd-Jones, estaremos seguros na verdade estudando os grandes reformadores e estaremos imunes a qualquer erro?
R. -- Não devemos engolir automaticamente tudo o que lemos nos livros, ainda que dos maiores homens. Devemos examinar tudo.

Entrevista 5:
P. – Sr. João Calvino, o quanto podemos ignorar; relevar em nome da moderação, tolerância e unidade da igreja?
R. -- Há algo ilusório em nome da moderação, e a tolerância é uma qualidade que tem uma bela aparência, e parece digna de louvor; mas a regra que devemos observar a todo preço é, nunca suportar pacientemente que o nome santo de Deus seja assaltado com blasfema ímpia – que sua verdade eterna seja suprimida pelas mentiras do diabo – que Cristo seja insultado, seus santos mistérios poluídos, almas infelizes cruelmente assassinadas, nem deixar a Igreja padecer em extremo sob o efeito de uma ferida mortal. Isso não seria mansidão, mas indiferença sobre coisas que deveriam vir em primeiro lugar.

Entrevista 6:
P. – Sr. David J. Engelsma, vale a pena perder a unidade e a paz por causa de DOUTRINA?
R. -- O povo protestante, tolerando a falsa doutrina e aderindo a instituições apóstatas, não entende que seus ancestrais abriram mão de tudo – por DOUTRINA. Não entendem que homens de carne e sangue como eles uma vez desafiaram tudo e arriscaram transformar o mundo num tumulto – por DOUTRINA. Eles não entendem mais as palavras do poderoso hino de Lutero: “Se temos de perder, famílias, bens, poder. Embora a vida vá” – por DOUTRINA.

Entrevista 7:
P. – Sr. D. A. Carson, até que ponto a razão e civilidade devem apoiar a tolerância?
R. -- Pode existir a existência da “intolerância da tolerância”, quando se é tão aberto a tolerância de tudo e aceita tudo como normal que não se admite em hipótese nenhuma a intolerância. Não admitir em hipótese nenhuma a intolerância é ser intolerante. O politicamente correto é um tipo de “intolerância da tolerância”.

CONCLUSÃO

Nenhum cristão verdadeiro pode viver com várias opiniões das quais não concorda ou achar que toda opinião é válida. Em seu meio, entre seus pares, todos vivendo sob a mesma confissão de fé, em comunhão, não há como um membro tolerar um ensino de outro membro que irá contra a confissão de fé da sua igreja. Se alguém discorda, é mais prudente que procure outro lugar para congregar. Mas este mesmo membro pode defender com justiça o direito de outras religiões existirem. Ou seja, uma igreja pode ser vizinha de uma mesquita ou de uma sinagoga, desde que ambas se respeitem. E isto não significa que o culto na igreja será igual ao da mesquita ou da sinagoga. E o membro cristão vai continuar confessando que o Senhor Jesus Cristo é o único Caminho, a Verdade e a Vida. Este é o limite da tolerância religiosa.

O Senhor Jesus Cristo um dia voltará e todo caos religioso será lançado fora. Mas enquanto o Senhor não retornar, nós teremos aflições, perseguições, confrontos, tristezas, mas precisamos dessa tolerância para haja paz civil, ordem social em um mundo instável. A unidade da igreja visível é a grande luta diária de cada igreja, deve ser sempre buscada, pois é da vontade de Deus revelada em sua Palavra. Mas esta unidade não deve impor a fé forçada a ninguém.

É preciso entender socialmente que qualquer religião que não fira as leis do seu país tem direito à liberdade e proselitismo. É uma tolerância legal, que os cristãos devem defender, pois a tolerância legal e social faz parte da expansão da Igreja. E a Igreja não converte ninguém pela força. Há uma frase atribuída a Voltaire que diz: “Não concordo com uma só palavra do que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”. Este é o modo de operação da tolerância social cristã.

Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha. Mateus 12:30


16.4.17

A MOEDA DE CÉSAR E A DESOBEDIÊNCIA CIVIL


A MOEDA DE CÉSAR E A DESOBEDIÊNCIA CIVIL
R.M. MENEZES

Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.
Mateus 22:21

A face do imperador romano cunhado na moeda é uma clara mensagem que a soberania política vigente do poder era de César. O domínio romano pela palestina antiga era algo marcante e de forte presença política e militar. A politica expansionista romana até certo ponto dava liberdade religiosa aos territórios conquistados, no caso do contexto, não havia grave interferência do Estado nas questões religiosas dos judeus. Estes pagavam o seu dízimo religioso e o tributo estatal.

Entre judeus e romanos havia uma convivência relativamente pacífica. O templo judaico funcionava normalmente neste contexto, devoções a Deus eram realizadas e tributos ao império também.

Podemos extrair até aqui que há um principio estabelecido nesta época, que é obediência ao poder estatal até o limite o qual invade os direitos de consciência que possa impedir que as pessoas adorem e sirvam a Deus livremente. A ordem social e a liberdade dependiam desse princípio, nos tempos de Jesus, e hoje, por que não?

Em Mateus 22, os fariseus se juntaram aos herodianos, um partido judaico mais leal a César, embora opostos se juntaram para colocar uma armadilha para o Senhor Jesus Cristo. Mas o Senhor conhece a maldade do coração humano por dentro, no mais profundo conhecimento e sabia que se tratava de uma armadilha montada por hipócritas. Cristo ensinou que a religião cristã não é inimiga do governo civil em si. Que deveria haver tributo devido ao culto a Deus e tributo a César, mas que fazendo isso ninguém estava livre de outras obrigações, da responsabilidade de piedade e justiça da Lei de Deus. Não era somente dar o tributo, mas dar o coração; a vida por Deus e para Deus. Esta é a grande aplicação do texto.

De modo implícito no texto podemos retirar algumas lições, por exemplo, como obedecer a Deus sem desobedecer a César? Ou como obedecer a César sem desobedecer a Deus? São questões naturais que surgem. Os apóstolos Paulo e Pedro ensinaram que sujeição aos magistrados civis não é inconsistente com o temor a Deus. A quem honra, honra. E a sabedoria pesa todas as coisas.

O que diz o apóstolo Paulo:

Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas.
Portanto, aquele que se rebela contra a autoridade está se colocando contra o que Deus instituiu, e aqueles que assim procedem trazem condenação sobre si mesmos.
Romanos 13:1,2 (NVI)

As autoridades derivam de Deus. O dever de obediência a Deus é absoluto, mas o dever de obediência aos poderes humanos é relativo. A obediência ao Estado é uma questão aberta, se há legitimidade perante Deus ou não. Importa sempre escolher obedecer a Deus. Quando não há conflitos de direitos e deveres devemos obediência total aos poderes humanos.

Um exemplo, na Inglaterra no século XVII houve um conflito de obrigações e decisões que envolvia a igreja, o rei e o parlamento. E o parlamento e a igreja protestante desobedeceram ao rei. Aqui, neste caso houve uma consciência coletiva por parte do parlamento e igreja em desobedecer. Mas há episódios de consciência individual de desobediência, o caso de alguns profetas do Antigo Testamento e dos mártires da Igreja. A consciência cativa à Palavra de Deus está acima até da própria vida.

A consciência individual ou coletiva deve ser guiada pela Palavra de Deus e não ser juiz em causa própria. A desobediência civil nunca deverá ser entendida como anarquia.

Quando o Senhor Jesus Cristo foi preso pelo poder civil, e injustamente julgado e condenado, nosso Senhor não fez nenhuma resistência. Não só isso, mas quando a resistência foi feita em seu nome Ele repreendeu o discípulo que tinha usado a espada. O Senhor teria que cumprir todo desígnio de sua missão redentora, e nada poderia impedir. -- Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? (Mateus 26:53). -- Disse-lhe, pois, Pilatos: Não me falas a mim? Não sabes tu que tenho poder para te crucificar e tenho poder para te soltar? Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado... (João 19:10,11).

Não há poder, tirânico ou democrático que não esteja sujeito ao poder de Deus. Ele mesmo controla a história e conduz TUDO segundo seu decreto. Deus colocou sua Lei gravada no coração de suas criaturas humanas. Todo sistema humano geralmente recompensa a virtude e pune o erro, em maior ou menos grau. Todo governo moral estabelecido pune a injustiça razoavelmente. Os homens são instrumentos de Deus, queiram ou não queiram.

A providência e o governo soberano de Deus, o Senhor da história usa a instrumentalidade humana e social para trazer benefícios para a sociedade, há toda uma história e evolução das leis civis na ciência do direito. Deus realiza seu governo moral de muitas formas em todas as épocas. Isto é claramente demonstrável.

O apóstolo Paulo em Romanos 13 exorta os cristãos à piedade e justiça, deveres para com Deus em devoção e bondade fraternal, e isto inclui sujeição aos governantes civis e os deveres de justiça e fazer o bem. Esta carta circulou não em qualquer localidade, mas em Roma, a capital do império, um governo idólatra, mas que se devia pagar impostos e prestar obediência, que havia leis razoáveis que davam permissão para liberdade religiosa em fases distintas da história do império romano, em períodos de não perseguição. O apóstolo Paulo enfatizou aos romanos que deveria respeitar o império.

Como era a Síria moderna, há pouco tempo. Um país de maioria muçulmana e que a minoria cristã podia viver em certa tranquilidade antes da guerra atual. Como hoje não há mais autoridade legal nem ordem, mas um intenso conflito, os cristãos têm duas opções, fugir ou combater. Certamente há uma desobediência civil por parte dos cristãos na Síria.

A vontade de Deus é que haja magistrados para resguardar a paz das sociedades. E sua mão é quem dirige todo poder. Deus é o governador universal. Mesmo que os magistrados não creiam em Deus. Não há poder senão de Deus. É Deus a origem de todo poder.

Este princípio sendo distorcido e usado por poderes tirânicos torna homens em deuses. Muitos reis se apoderaram dessa prerrogativa e a distorceram para se tornarem piores governantes, em nome de Deus.

Há casos em que o mais justo é resistir às leis injustas. Não ha neutralidade moral e os cristãos devem se posicionar contra injustiças, a exemplo do aborto (uma questão atual) e outros temas.

Na antiguidade, quando qualquer império ordenava a adoração de ídolos o que podia fazer o povo de Deus? Recusar a submissão ou desobedecer a Deus.

William Carey, conhecido como o “pai das missões modernas”, no século XIX, em missão na Índia, um país com leis estranhas como cremar viva a viúva juntamente com o cadáver do seu esposo. William Carey como missionário cristão não se submeteu a esta cultura e tradição, por mais antiga que fosse, e com muito esforço, influência adquirida e, sobretudo pela providência de Deus, a lei foi abolida. O mesmo aconteceu com a escravidão nos países cristãos e outras leis.

O princípio geral em Romanos 13 deve visto deste modo, que devemos obedecer todas as coisas que não são contrárias à Lei de Deus. Pois importa em primeiro lugar obedecer a Deus.

O que diz o apóstolo Pedro:

Sujeitai-vos, pois, a toda a ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei, como superior;
Quer aos governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem.
Porque assim é a vontade de Deus, que, fazendo bem, tapeis a boca à ignorância dos homens insensatos;
Como livres, e não tendo a liberdade por cobertura da malícia, mas como servos de Deus.
Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei.
1 Pedro 2:13-17

Os cristãos devem esforçar-se, em todas as relações, para se comportar corretamente, para que não tornem a sua liberdade um pretexto para qualquer perversidade, injustiça ou negligência do dever; Mas devem lembrar-se de que são servos de Deus.

Segundo Calvino, por causa de sua origem divina, as autoridades civis têm o direito à obediência de todos os homens em geral e dos cristãos especialmente. Os magistrados são instituídos por Deus, investidos de autoridade divina e representam a pessoa de Deus em cujo nome agem. Deus é soberano absoluto sobre todas as coisas. Um grupo que estava no cenário da Reforma do século XVI e que provocou muitos problemas com o movimento reformado por não respeitar a obediência civil legitima foi o ensino anabatista. Este grupo sofreu retaliações por parte de protestantes e católicos.

Algo muito importante é que o dever de submissão às autoridades civis não é ilimitado. Contra os governos injustos é preciso agir pelos meios legais que estão na mão do povo, se houver meios legais. Em último caso os cristãos devem derrubar um governo como numa guerra civil, a exemplo da Inglaterra do século XVII. Quando se vive numa democracia há mecanismos legais para a derrubada de seu governo. A desobediência civil a um governo injusto, para o cristão, não é apenas um direito, é um dever.

Na Confissão de Fé de Westminster, capítulo XX, sobre a Liberdade de Consciência, resume-se que: Deus é o único Senhor da consciência, sua vontade é revelada nas Escrituras e requerer ou impor obediência às doutrinas dos homens é traição contra Deus. Ou seja, a obediência tem limites. No capítulo XXIII do mesmo documento entende-se que, o governo tem sua origem em Deus e não no povo.

Há um comentário do Rev. Onezio figueiredo sobre os capítulos XX e XXIII da Confissão de Fé de Westminster, bem apropriado e colocado:

“ -- Liberdade para a obediência civil -- O eleito de Deus, salvo em e por Cristo Jesus, possui dupla cidadania: a civil e a espiritual. O súdito fiel do Rei eterno é, consequentemente, bom cidadão de seu país, onde Deus o colocou como sua testemunha. O mesmo Senhor do reino dos céus, para o qual elegeu, chamou e salvou os seus regenerados, é também o criador e o gerente da história, que escolhe governantes e os tira do poder; cria nações e as destrói, conforme seus propósitos. Cristo governa os seus por meio das Escrituras Sagradas, a Palavra de Deus, pelo ministério do Espírito Santo no interior de cada redimido e por meio de sua Igreja (...) O crente, portanto, sujeita-se às leis concedidas por Deus às nações e se submete aos mandamentos do Salvador. Legítimas são as penalidades que o Estado impõe aos infratores; justas, as disciplinas que a Igreja aplica aos ofensores de Deus, aos corruptores de sua palavra e aos detratores do corpo de Cristo. Eis porque ao servo de Deus impõem-se submissão e obediência às autoridades civis e eclesiásticas: Sujeitai-vos a toda instituição humana por causa do Senhor, quer seja ao rei, como soberano, quer às autoridades, como enviadas por ele, tanto para castigo dos malfeitores como para louvor dos que praticam o bem ( I Pe 2. 13,14 ). Como livres que sois, não usando, todavia, a liberdade por pretexto da malícia, mas vivendo como servos de Deus ( I Pe 2. 16 ).
(...)
O Servo de Deus possui dupla cidadania, a celeste e a terrestre. A ênfase na cidadania celestial não desqualifica nem elimina a cívica; pelo contrário, qualifica-a e a intensifica. O bom cristão é, por vias consequenciais, melhor cidadão que o mau cristão. Quem obedece e serve a Deus com humildade e fidelidade, obedece e serve ao seu país com honestidade e honrada civilidade. Somos libertos para o exercício do bem, não para a prática do mal. Somos livres para servir a Deus, não a nós mesmos, ao mundo e ao mal.
(...)
O cristão, em decorrência da dupla cidadania, a terrestre e a celeste, está sob jurisdição das autoridades civis e sob controle do Criador. Cada país tem sua constituição federal, mas a Igreja deixa-se gerir pelas Escrituras Sagradas, sua regra de fé e norma de comportamento”.

Primeiramente somos povo de Deus, posteriormente cidadãos. Qualquer ato de desobediência civil, familiar, eclesiástica ou outro ato social, é também uma ofensa, a não ser que esteja obedecendo primeiro a Deus. Como no caso dos Reformadores do século XVI, que desobedeceram a Igreja Católica Romana, por sua corrupção desenfreada.

Uma coisa é certa em toda história de uma sociedade humana, a obediência ou desobediência sempre carregam em si consequências e resultados históricos. O mundo nunca será melhor com desobediência ilegítima e anarquia. O mal não pode produzir uma sociedade boa.

A desobediência civil fundamentada na verdade e na justiça é uma coisa, uma desobediência civil que coloca o homem acima da vontade de Deus é anarquia. Como bem disse Rushdoony: “A desobediência é um dever moral quando se obedece a Deus antes de obedecer aos homens”.

Jesus Cristo em Mateus 22 aplicou a justiça que seus ouvintes deveriam obedecer ambos os tributos. A resposta de Cristo na ocasião não foi a desobediência civil ou uma revolução. Pagar impostos é um aspecto pequeno de nossa obrigação como cidadão. O mais importante é render nossa vontade a Deus em tudo, reconhecer Deus como nosso Salvador e Senhor.

E mesmo Jesus Cristo dando a resposta mais justa e sábia, ainda foi acusado de rebelde contra César: “E começaram a acusá-lo, dizendo: Havemos achado este pervertendo a nação, proibindo dar o tributo a César, e dizendo que ele mesmo é Cristo, o rei”. (Lucas 23:2). Mentirosos e hipócritas! Sua resposta havia acabado com a armadilha deles, Jesus ensinou que se devia pagar o que era devido a César e a Deus. Os inimigos de Deus são mentirosos e não raramente elaboram leis que são contra a moral de Deus. A estes não se deve obedecer.




9.4.17

A PRUDÊNCIA DA SERPENTE E A SIMPLICIDADE DAS POMBAS – MATEUS 10.16


A PRUDÊNCIA DA SERPENTE E A SIMPLICIDADE DAS POMBAS – MATEUS 10.16
R.M. MENEZES

Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas.
Mateus 10:16

Eu os estou enviando como ovelhas entre lobos. Portanto, sejam prudentes como as serpentes e simples como as pombas.
Mateus 10:16

Mateus 10 é um contexto de entrega total em missões. 42 versículos de pura adrenalina para os discípulos, o capítulo também pode se chamar A MISSÃO DOS DOZE. Os apóstolos têm o significado fundamental de "aqueles que são enviados", enviados pelo próprio Deus e sob a cruz.

Cristo deu todo poder e autoridade para seus apóstolos, não existia comunicação do evangelho mais poderosa que esta. Proclamavam o reino com poderosos feitos miraculosos, como ressuscitar mortos. Enviados de dois em dois para visitar toda casa de Israel.

Deus sempre oferece aos seus peregrinos companheiros de jornada, se um cair o outro ajuda a levantar. Não eram homens eruditos nem ricos, eram apenas simples homens que testemunhavam da ressurreição até trazendo pessoas de volta à vida. E estavam dispostos a dar suas vidas para provar sua fé. Afinal eles tiveram o santo privilégio de andar lado a lado com o Filho de Deus. Estes homens sentaram aos pés do Deus Vivo e Verdadeiro e receberam suas palavras, ouviram sua sabedoria, viram seu poder. Quando o próprio Cristo deu a ordem de pregar o Evangelho eles saíram como misseis teleguiados, impossível de serem parados.

Jesus Cristo instruiu como deveriam realizar a missão e advertiu das perseguições. Sempre justo e verdadeiro, o Senhor Jesus Cristo nunca omitiu os perigos do Caminho para os seus seguidores, há grandes conflitos e recompensas, estas por dom gratuito de Deus.

A missão era (e é) mostrar o Caminho para o Reino da Graça e fazer com que os inimigos de Deus rendam-se em obediência diante de Cristo. A Missão dos Doze era específica, primeiro alvo eram os judeus, e posteriormente os gentios; primeiro as ovelhas da casa de Israel, depois as ovelhas que não eram desse aprisco. Para os gentios estava reservada uma expansão posterior. Todo conselho de Deus devia ser declarado.

"Eis que vos envio", "Eu os estou enviando", o próprio Jesus Cristo quem envia sem garantias de proteção física, "como ovelhas no meio de lobos", uma clara previsão de confrontos e sofrimentos, com o consolo do controle soberano. Lobos para as ovelhas representam certamente “inimigo predador e perseguidor”.

Mas que não sejamos presas fáceis sejamos prudentes como as serpentes, e simples ou inofensiva como uma pomba.

A serpente é astuta para livrar-se dos perigos, aqui não se trata da malícia ou maldade. O maior exemplo dessa combinação é o próprio Jesus, que sempre perseguido e questionado com armadilhas dava respostas simples e verdadeiras aos seus adversários. Assim como Paulo que sempre evitava os perigos desnecessários, e por prudência sempre procurava as melhores estratégias, ora trabalhava na clandestinidade, ora em praça pública. -- Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos. ~ 2 Coríntios 11:26.

A regra de ouro de todo cristão é saber o que espera no caminho, o que se deve esperar? Perseguições, provações, tribulações, mas quem poderá nos separar do amor de Cristo? Não tenhamos medo, somos mais valiosos que um pardal. É nosso dever professar a fé, servir e sofrer por Cristo. Não somos melhores nem maiores que o Mestre.

Sagacidade e prudência da serpente balanceada com a inofensividade das pombas, assim deve ser a caminhada do peregrino. Sagacidade não no sentido de esperteza para tirar vantagem, mas como um sentido apurado, um “faro” refinado, um olho clínico; um discernimento aguçado; a capacidade de prever algo; sabedoria; sensatez; bom juízo, para antecipar as armadilhas e perigos. – Como ensina em Provérbios: O prudente percebe o perigo e busca refúgio; o inexperiente segue adiante e sofre as consequências. (NVI-Provérbios 22:3)

Que a sabedoria habite com a prudência para evitar armadilhas na jornada cristã. Seja um “Argos de observação”, como aconselhou Baltasar Gracián, em “A Arte da Prudência”. Argos é um personagem da mitologia grega, um gigante de cem olhos, vigilante e sagaz.

Necessitamos dessa prudência e simplicidade da serpente e das pombas para prosseguirmos com mais segurança no caminho estreito. Isto se aplica desde o contexto de missões do cenário retratado em Mateus 10, saber agir estrategicamente e em obediência às ordens de Cristo. Procurar as melhores condições para que o Reino da Graça seja expandido – se não somos bem-vindos em um grupo partamos para outro (Cf Mateus 10.11-14). Ter cautela, pois haverá perseguições (v.17). Verso 23: “Quando, pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra...” – Não tenha medo, confie na Providência Mateus 10.28 a 31. Enfim, reconhecer todas as implicações da jornada, não ser um tolo, e sempre procurar fazer o que é mais certo para cada momento.


Cristo nos guia no caminho para a glória dele, não sem perigos. Ele não promete uma jornada sem perigos, mas promete um destino seguro. Como disse Lutero: “Não sei por quais caminhos Deus me conduz, mas conheço bem meu guia”. Oremos por sabedoria e discernimento e sigamos o Caminho conduzido por Cristo.

2.4.17

Fique em silêncio: A importância da santa resignação em Lamentações de Jeremias 3

Fique em silêncio
A importância da santa resignação em Lamentações de Jeremias 3

R.M. MENEZES

Assente-se solitário e fique em silêncio; porquanto Deus o pôs sobre ele.
Lamentações 3:28

Na vida passamos por muitas turbulências emocionais, pode ser um luto, uma falência, uma depressão, uma provação, separação, tribulação, tentação, conflitos, aflições, angústias, lamentações, amargura, cansaço, doenças, abatimento, grande tristeza, perseguições, maus tratos, tragédias, enfim. As experiências da vida não são somente na zona de conforto, mas muitas vezes distante dela, mas nesta experiência Deus oferece apoio e alívio.

Muitas vezes é o pecado a causa das turbulências, palavra em desuso e politicamente incorreta hoje em dia, o pecado mesmo! O pecado faz do cálice da aflição um cálice amargo. Uma coisa é certa: Deus está sempre testando a nossa fé, e temos lutas internas de incredulidade e fé, e só há uma saída para encontra a paz, ter esperança no Senhor.

O capítulo 3 de Jeremias é um marcante e profundo texto sobre as piores angústias da alma. Se ainda não leu, faça uma pausa, ore e leia. O povo hebreu no tempo de Jeremias experimentou muitas aflições, mas os que perseveraram o fizeram por causa da esperança da restauração do Senhor.

Hoje, quantos cristãos estão sofrendo perseguições, torturas e mortes neste exato momento em alguma masmorra dos inimigos de Deus? Os miseráveis e desprezados do mundo só têm uma saída, alimentar a esperança na justiça, providência e misericórdia do Senhor. É o que revela o Espírito Santo em Jeremias 3.

Muitas vezes na história, Deus cria um ambiente hostil para o seu povo para que ele fique mais forte; para que ele dependa mais de Deus em submissão à sua vontade.

Não murmurar, não blasfemar e ir em direção à paciência, orações, arrependimento, gratidão, confiança na salvação, na libertação e vingança do Senhor sobre seus inimigos. Esta é a mente cristã.

Há graus de aflição, se você acha que está ruim, lembre-se que poderia estar pior. Pois a misericórdia do Senhor é o motivo de não ser pior.

Jeremias viu olho no olho a aflição como poucos profetas perseguidos. Ele era reprovado por seu povo, sofreu todo tipo de afronta entre os seus. Ele profetizava a destruição de Jerusalém e do templo. Ele foi um tipo de Cristo, homem de dores. Deus colocou um povo inimigo do seu povo para servir de vara da ira, para humilhar Israel como instrumento do Senhor. E fez isto muitas vezes usando povos como instrumentos da sua vara de correção, a exemplo dos egípcios, babilônicos, caldeus e outros. E a missão do profeta Jeremias era levar o povo de Deus de sua época ao arrependimento e justiça, mas tornou-se uma pessoa a qual era preferível abraçar um leproso a ter que dar ouvidos ao profeta.

Punição pelos pecados é uma evidência que Deus controla o mundo, e de modo especial o seu povo. E a santidade do Senhor exige punição por toda rebelião contra seu governo, ontem e hoje. O julgamento do Senhor é algo terrível, que muitas vezes significa angústia, calamidade e aflição. Os judeus foram muitas vezes levados a escuridão do cativeiro e a sua Igreja sofreu duras reprovações e exortações. Onde estão hoje as Igrejas da Ásia relatadas em Apocalipse?

Jeremias experimentou a escuridão do calabouço. Só existe uma oração em tempo de calamidade, por misericórdia, o clamor do coração ao Senhor, com lamentações. Analogias como "ossos quebrados", "lugar estreito" referem-se a determinação de Deus em tratar o seu povo, quando lhe convêm, porque Ele é Deus.

Geralmente a mão poderosa de Deus, a mão que castiga está virada em direção aos inimigos do seu povo, mas por sua correção à rebeldia do seu povo, Deus altera a direção de sua mão para corrigir o seu próprio povo. A mão da ira do Senhor se voltou contra Cristo, por causa do pecado do seu povo, Cristo sendo justo e inocente recebeu a ira do Pai, foi ferido de Deus, para trazer graça e misericórdia para os que colocaram sua fé em Cristo.

Jerusalém castigada por uma nação inimiga no tempo de Jeremias foi esmagada e se tornou um lugar miserável, multidões mortas pelo inimigo, pela fome e doenças. Uma terra de “zumbis”. Uma corrente pesada nos pés (Lm 3.7). Tornou-se um povo ferido e zombado pelos inimigos. Muitas lições este povo aprendeu do Pai, e a mais importante foi a resignação; submissão a vontade de Deus.

Deus sabe trabalhar em cada filho para que eles aprendam a orar mais frequentemente e fervorosamente. Devemos lutar contra o desespero como quem passa por um afogamento em águas turbulentas e procura uma margem, um terreno firme para salvar-se. Nestes momentos é preciso trazer a memória o que traz esperança. A luz da esperança acaba com a escuridão. É preciso acalmar o coração e nadar até a margem.

Esperança, paciência, consolo e resignação, são os terrenos firmes para buscar. É confiar em Deus nas mais severas provações. Não somos consumidos por causa das suas misericórdias, renovadas a cada dia. Sua fidelidade é tão grande quanto a sua bondade. Confie e descanse em Deus, isto é santa resignação.

Deus nunca destruiu totalmente Israel nem a sua Igreja. Grande é sua fidelidade, apesar de nós. As aflições trabalham para o bem do povo de Deus, traz humildade, discernimento, sabedoria, paciência, experiência, esperança e tantas outras virtudes.

Se algo está ruim, não está pior por conta das misericórdias de Deus. Deus abate nosso orgulho e desobediência. Pare de reclamar e fique quieto. Espere o que Deus fará em silêncio. Espere em silêncio, se afaste de murmuração e reclamações.

Em meio a turbulência e desordem interior, não seja impaciente, mas silencie e aguarde o poder da graça. Tenha fé e esperança, pelas coisas invisíveis, futuras. Apesar das circunstâncias, faça silêncio e busque a paz.

Ficar em silêncio não é uma apatia estoica (ficar insensível a dor do chicote), mas ser grato pela libertação que virá, não reivindicar nada de Deus! Não decretar nada! Não impor! É bom esperar em silêncio, vale a pena esperar no Senhor.

Aprenda a desconectar das vozes externas. Fique a sós com Deus, fique em silêncio, vá para o seu deserto para orar, retire-se à privacidade para conversar com Deus, silencie seus pensamentos descontentes. Desconecte-se de perturbações externas.

Não adianta lutar contra o jugo, mas se acalmar tem um grande valor para a alma que crê no Senhor que acalma as tempestades. Humilhe-se a vontade do Senhor.

A fidelidade de Deus faz com que a maior parte do nosso tempo seja vivido em paz e no conforto do contentamento, e mesmo quando Ele nos tira dessa zona de conforto, faz com sabedoria para crescermos em experiência com Ele.

Momentos de comunhão com Deus a sós em casa, no quarto, no campo ou em outro lugar, são muito importantes para meditar sobre as obras de Deus, sobre a sua criação, providência e graça. Os dias de hoje estão muito agitados, são milhares de informações disputando a nossa atenção. Priorize conversar e ouvir Deus, através da oração e leitura da Palavra.

Quando os problemas baterem em sua porta suporte com santa resignação. A boca no pó, é uma atitude de humildade e submissão. Dobre-se à vontade de Deus, humilhe-se debaixo da poderosa mão de Deus, não ouse murmurar. Com paciência espere o conforto. A esperança segue a submissão, a santa resignação.

Deus nunca rejeita seu povo, seus filhos sempre têm um lugar no coração de Deus, estão sempre a sua vista. Há uma aliança e somos sua família. Podemos ser abandonados pelas pessoas, mas Deus nunca lançara fora um dos seus, nem na juventude nem na velhice, nem no tempo nem na eternidade.

Seus Decretos eternos são firmes e inalteráveis, seu conselho, aliança, juramento, promessas são imutáveis. Aqui estão os fundamentos da esperança. Podemos suportar qualquer aflição, ferida e perseguições. Deus é pai.

Por amor Deus disciplina os seus, e sua mão pode causar dor, mas como um Pai bondoso tem misericórdia em grande quantidade, infinita. Nunca por nossos méritos, mas por sua misericórdia. Confie no Senhor em silêncio.



 R.M. MENEZES

28.3.17

O PROBLEMA NÃO É O DINHEIRO, MAS A DISTORÇÃO DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE


O PROBLEMA NÃO É O DINHEIRO, MAS A DISTORÇÃO DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

O problema da teologia da prosperidade não é o dinheiro em si, não é a riqueza em si, mas a ganância, ambição, cobiça em ter cada vez mais para si. Há pessoas ricas que possuem sabedoria e uma vida de equilíbrio para não corromper sua ética. A teologia da prosperidade é uma dose de veneno mortal numa taça de ouro servido numa bandeja de prata, é sedutor, mas é mortal.

Os comerciantes do cristianismo querem que você acredite que ou não se pode falar em dinheiro de modo nenhum ou tem que falar sobre dinheiro como eles falam. Aqui está a sutileza da mentira, pois a Bíblia não condena o dinheiro, o QUANTO você tem, mas COMO você usa. O problema não é o dinheiro, mas a ATITUDE para com ele.

“Poucas coisas testam mais profundamente a espiritualidade de uma pessoa do que a maneira como ela usa o dinheiro”, escreveu J. Blanchard. Não é errado querer segurança e conforto que o dinheiro pode trazer, mas a ostentação, a cobiça, a avareza, a falta de contentamento e outros tópicos relacionados são os problemas. Nem todos os ricos são ardilosos e maus. O alerta bíblico é contra o desejo cobiçoso de ficar rico. O dinheiro não é a raiz de todo mal, mas o AMOR PELO DINHEIRO é a raiz de todo mal. Se você faz do dinheiro seu amor, os outros valores irão se perder.

Não há problema em trabalhar honestamente e dar o máximo para buscar realizações materiais. Produtividade e criação de riquezas não são problemas em si. A independência financeira pode oferecer muitas oportunidades de ajudar os mais necessitados.

A verdade bíblica é clara como a luz do sol, mas alguém pode "apagar" o sol se colocar uma moeda bem perto do olho. Os comerciantes da fé superenfatizam o ganho material como sinal de benção de Deus. Mas a Bíblia faz alerta quanto ao desejo cobiçoso.

Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. -- 1 Timóteo 6.9,10

Esta verdade combate o desejo excessivo de ficar rico e também o oposto, a pobreza voluntária do ascetismo religioso. Não há virtude na pobreza em si. Deus deu ao homem capacidade para dominar a natureza, a criatividade, a produtividade do trabalho. E renunciar esta potencialidade humana em nome de uma religiosidade é o polo extremo do desejo ansioso de ficar rico. Não há virtude na miséria.

Você ora o Pai Nosso? Já repetiu quantas vezes: “Não nos deixe cair em tentação?" E o Apóstolo Paulo afirma que o desejo obcecado por ficar rico é cair em tentação.

Além de ser uma tentação, a Bíblia diz que é uma ARMADILHA. Esse desejo é considerado uma TOLA E DOLOROSA PAIXÃO, que AFOGAM as pessoas por sua ganância. Leva a DESTRUIÇÃO E PERDIÇÃO. O problema é a paixão egoísta; o mal da cobiça.

Matthew Henry escreveu que: "Aqueles que fazem um comércio do cristianismo serão decepcionados". Os mercadores da fé despertam o amor ao dinheiro, este é o mal. O dinheiro é muito importante na sociedade, mas não só o dinheiro, o tempo, a vida. Como estamos gastando nosso tempo? Como usamos nosso dinheiro? Isto diz muito quem é o nosso Senhor. Como estamos gastando nossa vida? Estas perguntas são fundamentais para o crescimento espiritual. A fé cristã afeta todas as área da vida humana, e afeta também o modo de uso do dinheiro.

O cristão não deve ser um ingênuo, mas simples e astuto. A Bíblia exorta o cristão à prudência, sobriedade, sabedoria, justiça, ao contentamento com a Providência sobre sua vida, a não amar o dinheiro, não se entregar à ambição, cobiça, ao uso do discernimento para não ignorar os desígnios do Inimigo (cf. 2  Co  2.11). Deus exorta e alerta de muitas maneiras: "Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores". (1  Tm  6.10).

A ganância pelo lucro não é nada menos do que a deificação do eu, e, se nossa mente estiver fixada em acumular riquezas, tornamo-nos idólatras. -- J. Blanchard